04 fevereiro 2014

Outsiders: Vidas sem Rumo da autora Susan E. Hinton



SINOPSE: Ponyboy quer conquistar a garota dos seus sonhos e provar que pode entrar para a gangue de seu irmão mais velho: os greasers, que usam gel no cabelo, jaqueta de couro e canivete e estão sempre envolvidos em brigas nos terrenos baldios da cidade, sobretudo contra os socs — filhos de famílias ricas. Bandidos, delinquentes, marginais (outsiders) ou apenas jovens à procura de uma saída para uma vida sem futuro? Retrato forte e comovente do universo de sonho, revolta e violência da juventude americana dos anos 1960 e de todos os tempos, Vidas sem rumo é um best-seller mundial e um clássico transformado em filme pelo diretor americano Francis Ford Coppola.

CLASSIFICAÇÃO:



"Alguém deveria contar o lado dele da história, e talvez as pessoas então compreendessem e parassem de tirar conclusões apressadas" (Ponyboy Curtis)


         The Outsiders (no Brasil, Outsiders – vidas sem rumo) é o romance de estréia da autora Susan E. Hinton e também o mais vendido de sua carreira. Publicado nos anos 60, quando Susan tinha apenas 17 anos, a história surpreendeu os leitores por falar abertamente – num livro destinado a um público adolescente – sobre jovens que fumam, bebem e estão sempre envolvidos em brigas de gangues.


Através de uma narrativa leve e sincera a autora faz um retrato fiel dos conflitos vividos pela juventude americana da década de 60, conflitos esses que são facilmente percebidos na sociedade atual e, por isso, possibilitam a identificação imediata por parte do leitor.
        Durante a leitura somos apresentados a dois grupos rivais: os Greasers, jovens de classe baixa com pouca ou nenhuma perspectiva de vida; e os Socs, os ditos “privilegiados”. As diferenças sociais entre esses grupos são tema central da trama e motivo de constantes disputas entre eles.
O livro é narrado em 1ª pessoa por Ponyboy, um garoto de 14 anos que faz parte dos greasers. A linguagem é simples e, apesar do clima de revolta e da violência evidentes em praticamente todo livro, a perspectiva de Ponyboy nos faz enxergar uma inocência que se encontra latente até nos personagens mais problemáticos.


          A história é dinâmica e os acontecimentos discorrem muito rapidamente prendendo a atenção do leitor da primeira a última palavra. No fim, o livro emociona e faz refletir sobre a realidade apresentada.