16 outubro 2012

Resenha: Cinquenta tons de Cinza da autora E L James

Sinopse: 
“Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja – mas em seu próprios termos…”

Aviso: Ultimamente tem havido bastante "barulho", em relação ao livro Cinquenta tons de Cinza (caso não tenha ouvido ou visto algo em relação ao livro, aprecie a resenha :).
Muitas pessoas têm lido e criticado o livro "manchando" assim a reputação de tal, no qual,  ou você fica muito curioso para ler o livro (o meu caso!) ou simplesmente diz que não vai lê-lo, que você é uma pessoa culta e que esse livro é uma total falta de respeito a sua moral. Ainda assim, têm aqueles que leem e depois criticam, criticam e criticam.
Nesse caso se você é algum tipo de moralista eu recomento que NÃO leia o livro!

Resenha
O livro Cinquenta tons de Cinza, como todos já sabem possui conteúdo adulto no qual é explorado o sadomasoquismo.
Pra quem não sabe, o livro inicialmente era um fanfic erótico de Crepúsculo  e muitas pessoas leem ele em busca das semelhanças. Sim, realmente é um pouco semelhante porém se eu não soubesse que era um fanfic de Crepúsculo eu não as teria notado.  Não afirmo que o livro é bem escrito, por que na verdade ele não é. A autora faz muitas repetições de palavras na mesma pagina. Ex: "hum, chupo gostoso"... "hum, que delicia"... "hum, delicioso"... "Seus olhos cinzas"... "Olhos cinzas gelados"... "Goze para mim"... "Quero ver você gozar"... "Por favor goze para mim"... Mas fora isso, dá pra ler tranquilamente.

A Anastácia é aquela típica garota, que é virgem, sonha em encontrar um cara que faça o coração dela saltar pela boca, borboletas no estomago e blá, blá, blá... E que no final das contas encontra o tal carinha, mas termina descobrindo que ele não é como ela pensava... E ela descobre que ele é o lobo mal, ele é um sadomasoquista que só quer se aproveitar do corpo dela e extrair o máximo de prazer que puder... E como é de se esperar ela começa a amar o sadomasoquista (Christian Gray) e simplesmente não dá para dizer não a um cara como esses por que além de  bonito ele é  sexy, charmoso, gostoso, rico, bem sucedido e ela está apaixonada por ele.

Uma das coisas que achei ridículo no livro foi o fato da Anastácia ter uma "deusa interior", pra mim isso só torna a personagem meio retardada (sem querer ofender ninguém) e além disso eu acho que ela não tem amor próprio... Porque quando ela achava que ia ter uma noite de amor com ele... Ele diz:" Eu não faço amor Anastácia, eu fodo duro". Meu Deus, só eu acho isso absurdo? (nada contra sexo casual, mas... ela estava gostando dele!)

Aqui nada é perfeito e até mesmo a nossa protagonista se vê em situações triviais da qual todas nós passamos, como: Com que roupa eu vou? Meu Deus, eu não tenho roupas!... Inclusive uma das citações que mais gostei é que quando ele vai na casa dela fazer uma "surpresa" e as coisas começam a esquentar... Ela se pergunta: Com que calcinha eu estou? ( E isso definitivamente tornou a personagem humana já que em muitos livros que eu leio tudo parece simplesmente perfeito!)

Embora o livro seja meio "pesado" para alguns pra mim foi só um livro que fala da prática de sadomasoquismo sem pudor, um livro que responde as suas dúvidas sem "vergonha na cara", o que é bom! Alias precisamos nos manter bem informados!

Portanto se você ainda não leu o livro e quer ler, leia-o, mas devemos ter a consciência que estamos lendo porque queremos!
Se você não gosta do gênero não tem pra que ler, ok?


Beijos :*
Dani Henrique