15 outubro 2012

Resenha: Aprendendo a Seduzir de Patricia Cabot

Sinopse
Durante um baile, Lady Caroline Linford abre a porta de um dos cômodos e flagra seu noivo, o marquês de Winchilsea, nos braços de outra mulher. Para a sociedade vitoriana do século XIX, tais escapulidas masculinas eram normais, e cancelar o casamento seria impensável. O jeito, decide a jovem, é aprender a ser, ao mesmo tempo, a esposa e a amante, para que o marquês nunca mais tenha de procurar outra mulher fora do lar. Por isso, resolve tomar lições - teóricas, claro - sobre a arte do amor com o melhor dos professores: Braden Granville, o mais notório libertino de Londres. Logo nas primeiras aulas começam a voar faíscas e as barreiras entre professor e aluna caem. Escrito por Meg Cabot, sob seu pseudônimo, esse romance vai mostrar que o amor escolhe seus próprios caminhos, sempre imprevisíveis.

Aprendendo a Seduzir, foi o primeiro livro que eu li da Meg Cabot e posso afirmar que foi paixão a primeira vista... A capa é linda com essa garota toda delicadinha correndo na floresta o que logo chamou minha atenção.


Sem sombra esse livro conquistou a minha admiração tornando-se assim um dos meus preferidos, pois seu enredo envolve uma combinação perfeita: uma mocinha inocente que demonstra fragilidade e um homem experiente, ou melhor, um libertino dono de uma personalidade marcante que irradia autoridade e confiança tornando-se ao mesmo tempo em algo sedutor.
Com uma boa dose de cenas hot acompanhadas de muito humor Aprendendo a Seduzir apresenta uma história que se passa no século XIX onde o machismo prosperava tornando assim evidente as diferenças entre homens e mulheres.
Nesse romance histórico Meg Cabot apresentou personagens bem desenvolvidos que conquistam jovens e adultos permitindo assim a criação de um elo entre personagem e leitor.
O modo como a história se desenvolve no decorrer do livro é cativante e consegue prender o leitor, trazendo ao final de cada capítulo uma nova expectativa.
O livro foi escrito com uma linguagem leve e de fácil entendimento (o que contribui muito na leitura, já que no século XIX a linguagem era bem mais formal).
Por fim, este é um livro que recomendo para quem gosta do gênero romance, no entanto não posso afirmar que ele agradará a todos, pois as opiniões são diversas.