23 maio 2013

Resenha: Não conte a ninguém - Harlan Coben


Sinopse:
David Beck e sua esposa Elizabeth comemoram o aniversário de seu primeiro beijo quando uma tragédia interrompe o clima de romance: Elizabeth é brutalmente assassinada. O caso acaba sendo resolvido e o assassino, condenado. No entanto, David não consegue superar a morte de Elizabeth. Depois de oito anos, ainda se lembra de todos os detalhes. Mas é no dia do aniversário de morte de Elizabeth que a história realmente começa. Uma estranha mensagem aparece no computador de David, uma frase que somente ele e a esposa conhecem. De repente ele depara com o que parecia impossível - em algum lugar, de alguma maneira, Elizabeth está viva. Ele é advertido para que não conte a ninguém e envolve-se em um sombrio e mortal mistério, sem saber que já está sendo seguido por alguém que o tentará deter antes que descubra toda a verdade. 



Não conte a ninguém, é um livro surpreendente o Harlan Cobem sabe perfeitamente formar aquela teia de mentiras e incertezas e no decorrer do livro ir dissolvendo-as aos poucos.

Os personagens são bem desenvolvidos e uma das características que eu mais gosto no Harlan é a facilidade com que ele consegue controlar vários personagens atribuindo a cada um deles um papal fundamental e de tamanha importância para o desenrolar dos fatos.

Este já é o segundo livro do Harlan que eu leio e uma das coisas que pude perceber é que existem muitas semelhanças entre os personagens principais que ele cria. Um exemplo a julgar é o fato de que seus  personagens são homens certinhos, não adeptos da violência e que de uma hora para outra se encontram dentro de uma história onde as peças não se encaixam impelindo assim esses personagens a procurar dissolver as mentiras expondo assim a mais cruel das verdades.

Não conte a ninguém é uma estória vista de vários ângulos, ou seja, o leitor é transportado de um lugar a outro através das mais diversas mentes dos personagens envolvidos na trama.

Neste livro o Harlan trás uma ideia ampla sobre o homossexualismo (ele introduz um casal de lésbicas e faz com que nos familiarizemos com o novo modelo de família proposto - já que no caso elas tem um filho)  e isso de certa forma nos ajuda a dissolver certo preconceito que o leitor venha a ter.

Enfim, o livro tem um desfecho inimaginável, o qual nem o mais experiente leitor poderia desvendar!


----
Aviso: Como vocês já perceberam eu não tenho andado atualizando o blog... A greve da Universidade acabou e ando tão cansada que não tenho tempo pra mais nada além de dormir e ir assistir aula... kkk
Então, se notarem a minha ausência já sabem o por que né?
Eu não abandonei e nem abandonarei o Absorto em Livros! 
Capiche?

Beijos,
Daniele Henrique