02 janeiro 2013

Especial: Saga Crepúsculo da autora Stephenie Meyer

Chegou ao fim a saga que dividiu opiniões e entrou nos corações de adolescentes do mundo inteiro. É com um misto de euforia e tristeza que os fãs de Crepúsculo assistiram ao desfecho  da última adaptação cinematográfica de Amanhecer (último livro da série). Gostei bastante do final desse filme - apesar de todas as críticas que recebeu - pelo fato de manter a fidelidade ao livro (isso tornou-se raro!) e ainda assim surpreender os telespectadores (foi muito legal ouvir a galera do cinema dizer em uníssono um grande e sonoro: Wôôôuuu!). 


Lembro que o meu contato inicial com a obra vampiresca de Meyer ocorreu por insistência das minhas amigas - elas não acreditaram quando disse que não sabia o que ou quem eram os Cullen.
Primeiro assisti ao filme e tenho que tirar o chapéu para a atuação de Robert Pattinson: havia um magnetismo no olhar do Edward/Robert que me impedia de desviar a atenção da tela (me senti hipnotizada, haha).
Depois de ver o primeiro filme parti para os livros. Devorei as páginas de cada exemplar como se fossem as últimas da minha vida. Simplesmente não dava pra parar!
Me parece que atirar pedras na Saga Crepúsculo tornou-se uma espécie de febre hoje em dia. É claro que encontrei vários pontos fracos na história (Por que pele morta seria brilhante? Como ninguém desconfiou dos Cullen antes? Os cabelos e as unhas deles crescem?), mas nenhum deles diminuiu minha empolgação.
Durante a leitura desenvolvi uma certa impaciência relacionada a Bella, que considero patética e sem sal - esquecer de respirar?! Pelo amor de Deus, como essa garota conquistou tantos admiradores logo no inicio da trama? - e ao Edward, cuja perfeição me enjoava. Confesso que meu entusiasmo deveu-se aos personagens secundários: Carlisle, Alice, Rosalie, Sam, Leah... pra mim suas histórias são bem mais cativantes do que o casal principal.

O quarto volume acabou se tornando o meu preferido por um fato bem simples: a narração deixou de ser exclusivamente da Bella. A partir da visão do Jacob eu pude conhecer melhor os personagens quileutes que tinham aparecido de forma muito superficial em Lua Nova e Eclipse.
Um lado muito positivo da saga foi o forte incentivo a leitura de clássicos como: O morro dos Ventos Uivantes e Romeu&Julieta (Ponto para Stephenie Meyer!).
Quero que saibam que não é o tipo de leitura que muda sua vida.Se tentasse reler os livros hoje, acho que não me sentiria tão fascinada, mas é sim uma boa opção de entretenimento.